Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Big mother is watching you...

por FS, em 06.03.17

A R teve uma visita de estudo ao Porto. Excursionista devota como é, viveu intensamente o antes, o durante e o depois, como é seu hábito.

Nós, tranquilos, observámos e respeitámos a sua forma de viver o momento, e confiámos em pleno no profissionalismo e responsabilidade dos adultos que seguiam com eles.

Às 10 horas da manhã, recebo um e-mail dirigido a vinte e tal pais com o seguinte texto "recebi SMS da professora e chegaram às 9h57 ao museu... estão todos bem!" Uma mãe muito pró-activa tinha decidido partilhar a informação com os restantes. Simpático, pensei.

Pouco depois do meio-dia recebo um outro e-mail, desta vez informando que "saíram agora do museu e vão almoçar... não chove muito no Porto e a viagem de barco pelo Douro começa às 14h30... estão todos bem." Aqui começo a pensar que já é demais, talvez... ou sou eu que sou muito desligado?

Mas o terceiro e-mail, recebido por volta das 15 horas, a comunicar que "os nossos meninos estão no meio do rio Douro!!!", deixou-me perplexo!

Deixou-me perplexo e com uma data de questões por responder na cabeça. A saber:

- Esta necessidade de saber dos "nossos meninos" é pura preocupação parental ou é uma mistura de querer reviver tempos passados e de viver a vida deles?

- Saber, a toda a hora, se eles estão bem numa mera visita de estudo é normal ou é uma forma de demonstrar falta de confiança na responsabilidade de quem os acompanha?

- Saber que a minha R se sentiu indisposta, estando ela a 120 quilómetros de distância, vai-me tranquilizar de alguma forma?

- Se a minha R tivesse algum problema durante a visita, e tendo a professora o meu contacto, não me ligaria ela a informar?

- Quais as consequências, para eles e para nós, desta superprotecção? Serão eles, no futuro, adultos mais seguros e tranquilos?

- E para terminar este veneno matinal... Coitada da minha mãe, que nunca recebeu um e-mail nem um SMS com a actualização em tempo real de como corriam as visitas de estudo à 30 anos... Como é que ela sobreviveu, e eu, sobreviveu a isso????

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ontem um jovem de uma das equipas que coordeno foi pai. Momento único na vida de qualquer pessoa.A vida muda bastante, quer queiramos, quer não.

 

Ainda assim, a fase de trabalho que esta equipa atravessa é complicada, e lembrámo-nos de ir buscar um reforço a outra equipa mais desafogada, pelo menos para estes 10 dias de licença parental.

Como qualquer "boa casa" gerida por jovens septuagenários feitos a pulso, nada se faz sem o consentimento superior.

Ora, sabendo disto, eu e a chefe dessa equipa fomos fazer a proposta ao chefe.

 

- Pois, hoje o João foi pai... - informo.

 

- Parabéns! Realmente temos de lutar contra o envelhecimento da população. - responde com um sorriso genuíno no rosto.

 

- Pensámos em ir buscar alguém a outra equipa, porque não vai estar nos próximos 10 dias. - continuo.

 

E automaticamente paro o discurso com a mudança súbita no semblante do chefe. Bicos da boca para baixo, como dizia a R quando era mais pequena. E sai-lhe a seguinte pérola:

 

- Dez dias? Mas porquê?! O rapaz é que vai amamentar a criança?

 

Ora, eu poderia agora tecer aqui toda uma dissertação acerca do momento em questão, enumerar uma série de argumentos em relação a direitos laborais adquiridos ao longo de gerações e gerações, e inclusivamente abordar o tema da importância da parentalidade e da felicidade dessa condição... Mas não vos quero maçar com o óbvio, apenas lembrar que "eles*" continuam aí.

 

 

* "eles" - com esta denominação, o autor pretende referir-se a uma série de pessoas que parecem ser indiferentes ao que se passa ao seu redor, excepto quando lhes toca a eles ...um género que deveria estar extinto há pelo menos 2 gerações, mas que continua a gerar espécimens nos dias de hoje, altivos na sua postura e magnânimes nas suas doutas e acertadas convicções chauvinistas e ultrapassadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

(in)sanidade mental

por FS, em 14.01.16

Há pessoas que são tão críticas com os outros e com a vida que conseguem fazer com que nos afastemos delas por uma questão de sobrevivência...

E eu sei do que falo... Só espero fugir a tempo para não ficar assim também!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alguém me explica...

por FS, em 04.01.16

O que se responde a alguém que nos diz "já nasci velha"?...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fashion Police

por FS, em 24.09.15

title_fashion_v2.jpg

 

Sempre pensei que a maioria das pessoas escolhe a roupa que usa por razões muito pessoais, que podem ir do simples marcar uma posição (como foi o início do Punk), para se identificarem com uma determinada tribo urbana (góticos, betos, etc), para não terem de pensar e apenas se sentirem confortáveis (sendo o exemplo extremo as personagens que vestem fato de treino ao fim-de-semana), ou para se sentirem de certa forma atraentes e com estatuto perante os pares e/ou potenciais parceiros sexuais (e peço desculpa pelo discurso pseudo-técnico, mas foi a melhor forma que encontrei de o descrever).

 

Ora, é com algumas pessoas desta última categoria ("para se sentirem de certa forma atraentes e com estatuto perante os pares e/ou potenciais parceiros sexuais") que o meu pequeno cérebro neanderthal bloqueia e entra em loop.

E esta minha paragem não acontece por haver pessoas que se vestem com esse propósito (consciente ou inconsciente), até porque acho que a esmagadora maioria o faz (inclusivamente os "desalinhados" das tendências da moda tentam parecer mais atraentes segundo os padrões da sua "tribo"), mas porque na maior parte das vezes essas pessoas dão importância à opinião de uma miríade de críticos experts desta área (leia-se, da moda) que não se enquadram no "público alvo": nem são pares, nem são eventuais parceiros amorosos!

 

Confusos? Acredito... Vou retirar os "pézinhos de lã" à minha escrita, correr o risco de ser vaiado e apupado por ser mal interpretado (mas cá estarei para esclarecer as dúvidas), e vou concretizar a minha ideia:

Expliquem-me, pela alminha da Santa, porque é que há mulheres que ligam tanto à opinião dos críticos de moda homens homossexuais?

 

Porque é que, por exemplo, o Cláudio Ramos há-de ter uma opinião de relevo em relação ao que as mulheres devem ou não vestir??? O senhor não encaixa em nenhuma das categorias: não é um par, porque é homem; não é um potencial parceiro amoroso, porque é gay! Então porquê dar tanta importância ao que esta criatura opina acerca disso? Ele não vai poder dizer com conhecimento e validade empírica "eu vestia aquilo, mas noutra cor para salientar a cor da minha pele", nem por outro lado vai poder dizer "acho que uma mulher vestida dessa forma fica super atraente, sem ficar vulgar"! Então, de que vale a opinião dele, Jasus?...

 

Não me faz sentido, desculpem... Mas a verdade é que proliferam nos media, como cogumelos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ouvi na rua:

- Berlim decepcionou-me em termos arquitectónicos. Tem demasiados edifícios modernos. Não é como Paris...

Mau... Já ouviram falar na Segunda Guerra Mundial?! Não? Então vejam o entulho que sobrou em 1945... Têm sorte é de ainda existir alguma coisa de antes da guerra...

image.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alguém me explica... (III)

por FS, em 26.06.15

Ontem estava a falar com uma colega num dos corredores do escritório.

Abre-se a porta da rua e entra uma outra colega que, alegre e bem disposta como é seu apanágio, dá os bons dias.

- Bom dia Joana! - respondi eu.

E assim, vindo do nada, sem qualquer sinal ou queixa de enjoo matinal, ou de outro sintoma que tal por parte desta Joana, a outra colega pergunta:

- Está grávida, Joana?

- Não, não estou... - fechou o sorriso e continuou o seu caminho.

 

Alguém me explica porque é que há mulheres que têm prazer em serem umas cabras para as outras?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alguém me explica...(II)

por FS, em 24.06.15

A minha alma "alimenta-se", em parte, com o sucesso dos que me rodeiam, sejam eles pares ou subordinados. Fico feliz e contente quando acompanho as suas vitórias e a sua dedicação para lá chegarem.

Mas deparo-me com tantas pessoas que retiram o mesmo prazer das derrotas alheias, principalmente dos pares, e que nunca são capazes de ser compassivos, nem de dizer "parabéns", "bom trabalho"...

 

Alguém me consegue explicar...

 

(P.S. - e eu sei que tenho uma língua afiada, mas ainda assim, porra!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alguém me explica...

por FS, em 24.06.15

- É complicado levar o S à escola... Perco imenso tempo!

- Na viagem? - pergunto eu.

- Não, para conseguir sair da escola...

 

E lá começa a minha imaginação a fazer filmes, a maior parte deles capazes de ganhar menções honrosas no Fantasporto (começo a ficar preocupado com este padrão... talvez venha a precisar de psicoterapia)...

 

- Mas tu entras na escola para deixar o S? - questiono.

- Claro! - sai automaticamente, como se da coisa mais óbvia se tratasse - Tu não?!

- Não, dou-lhe um beijo à porta (com uma  carinhosa palmada no rabo e um afectuoso "até logo, palhaço!") e deixo-o entrar sozinho para ir ter com a sua gang... Faço mal?

 

Para que hei-de de entrar, pergunto-me eu. Estarei a ter um comportamento erróneo?

Nos dias seguintes analiso o comportamento dos outros pais e faço a minha análise estatística com a amostra disponível! Com um intervalo de confiança de 95%, os pais ficam à porta e as mães entram, olham e conversam!

Mas para quê? Para ver como está vestida a educadora? Ela está sempre de bibe, como os miúdos! Para contar quantos já chegaram? Eles estão a correr de um lado para o outro, quem os consegue contar! Só para confirmar que a história do Ciclo do Mal foi só uma questão de dicção e fruto da minha imaginação?

 

Alguém me explica porque é que as mães insistem no briefing matinal e no debriefing vespertino?...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D