Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Vintage, mas não tanto...

por FS, em 19.02.17

Sempre adorei peças com história e com estórias. A proporção das duas é indiferente, desde que tenha "vida" e/ou tenha sido "vivida".

E gosto, não apenas para estarem em exposição ou numa redoma de vidro mas, para lhes dar uso e como forma de respeitar a função para que foram criadas e não as deixar morrer. É a minha forma de respeitar e prestar tributo ao trabalho dos designers (e se notarem uma ponta de inveja no meu discurso, têm razão, porque há! 😁).

Mas gosto mesmo tanto disso que a recuperação de algumas peças se transforma em pequenos projectos pessoais de "manualidades". Peças que por si só preenchem um espaço vazio, principalmente numa moldura contemporânea e algo minimalista. Peças que enchem a vista, que fixam o nosso olhar e nos deixam a mente curiosa por tempo indeterminado.

E o vintage agora está na moda. Tão na moda que abusam dele, coitado.

Se formos ao dicionário, e ignorando o seu significado vitivinícola, vintage quer dizer apenas "objecto antigo de grande valor"... claro que o valor que damos aos objectos é subjectivo, mas agora parece que tudo é vintage, porra!

Nas minhas pesquisas nos sites de leilões e de vendas em segunda mão aparece cada coisa com a etiqueta "vintage", que até dá dó... Ouçam, senhores, kitsch pode ser vintage, mas nem todo o kitsch o é! Usem antigo, velho ou mesmo kitsch! Assumam! Também há mercado para isso!

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Rita a 19.02.2017 às 16:56

Pessoalmente gosto mais do que é antigo do que é vintage. É uma questão de semântica pessoal (coisa que não existe!) mas quando penso em algo antigo, vem-me à cabeça o valor que as peças tinham quando foram criadas e viajo um pouco através dos tempos; mas quando penso em algo vintage, penso no valor que as peças têm neste tempo e não viajo a lado nenhum, aprecio apenas o bem ou mal que ficam em determinado espaço. :-)
Imagem de perfil

De FS a 20.02.2017 às 07:54

Olá Rita! É mesmo uma questão de semântica. Vintage não se cinge aquela ideia que a nossa mente criou de peças de determinado período do século XX. Vintage é algo antigo com valor e interesse marcado. Em relação à escala temporal, não é tão limitada como lhe atribuímos. É mesmo em relação ao valor, acaba por ser subjectivo (porque cada um de nós atribui o valor conforme o seu coração).
Eu também faço isso do viajar, com o antigo e o vintage... Mas encontra-se cada bugiganga etiquetado como antiga ou vintage que até dói...
Beijos

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D