Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Chega de saudade

por FS, em 08.08.15

Deu-me para isto... Deve ser do gin... Ou da saudade... Ou de ambas! (Vejam bem os vestidos das meninas do coro... Era o que se usava nos anos 80, sim... ;) )

Autoria e outros dados (tags, etc)

Igualdade... O papel dos pais

por FS, em 08.08.15

Li aqui, há uns tempos, um post muito interessante acerca da "ajuda" do pai nas tarefas e responsabilidades da casa e da família (devia ter adicionado aos favoritos, mas não o fiz por preguiça... Agora, lamentavelmente, não consigo deixar aqui o link...). Mas resumidamente refutava o conceito de "ajuda" por parte do homem, remetendo para aquilo que deve acontecer, que é a partilha e a divisão de tarefas entre ambos.

Não podia concordar mais! Concordo e sou praticante devoto dessa maneira de estar. E não é por nenhuma questão em concreto... É só porque assim é que deve ser numa sociedade que se quer democrática e igualitária entre pessoas, mais do que entre homens e mulheres! Sim, porque o mesmo princípio vale para os casais homossexuais... Vale para todas as relações entre pessoas!

Mas para não fugir ao que quero dizer neste post, volto aos casais heterossexuais, que é a minha experiência. Assusta-me que este nosso (dos homens) comportamento tendencialmente machista (conceito diferente do de "masculino" - não confundir as coisas, por favor) se perpetue no tempo, e se mantenha vigente no nosso século.

Quando era era adolescente, no século passado (porra que estou a ficar velho), já este machismo me incomodava, provavelmente porque ter sido criado por 2 mulheres, por partida prematura de pai (e o que sou hoje devo-o a ambas, a mãe e a irmã, esta última 7 anos mais velha do que eu), mas pensei que se desvanescesse e desaparecesse com as novas gerações. Mas, para meu pasmo, não. No caso extremo (mas que no meu ponto de vista revela a existência - ou mesmo abundância - de comportamentos machistas "mais leves", já que quem faz o mais "grave", faz concerteza o mais "leve"), quando vemos estatísticas em relação à violência dentro das relações, apercebemo-nos que a percentagem de casos é elevadíssima, e que começa muito cedo!

Eu, pessoalmente, fico chocado com isto: como é que um miúdo com 15 ou 16 anos se sente no direito de agredir, física ou psicologicamente, a pessoa que diz amar! Ou seja, a "coisa" começa cedo, e em jeito de conclusão deste parágrafo, parece que socialmente não estamos a conseguir "resolver" esta questão! (E como aviso para os pretendentes ao amor da minha filha R: sofrerás em dobro pelas minhas próprias mãos aquilo que lhe fizeres! Nem que eu esteja já a cair da tripeça ou de cadeira de rodas! Ouviste???)

E cheguei ao ponto que queria: os paizinhos dos meninos, os futuros homens e mulheres, e a educação, exemplos e valores que lhes transmitem!

O post que referi ao início fala de homens e mulheres crescidos, adultos, mas como diz o povo "ramo que nasce torto, tarde ou nunca se endireita"! Não será bem assim, é certo, mas quanto mais tarde mais difícil será de endireitar. Por isso, e na minha humilde opinião, os exemplos que damos em casa são fundamentais para educar na partilha e no respeito mútuo, independentemente do género, da idade e relação social.

E penso que os "pecados originais" nesta questão não são difíceis de corrigir.

Ao pai cumpre assumir o seu papel com orgulho, obrigando o seu "macho" mais novo a perceber que viver em comunidade (leia-se família) tem direitos e obrigações com peso igual para todas as partes! Às vossas pequenas "princesas" dêm o exemplo do que é amar em plenitude de partilha. Que há homens que amam envolver-se nas pequenas rotinas chatas da sua "tribo", e que acham que esse seu envolvimento é fundamental. E que esses mesmos homens, apesar de lavarem a louça, cozinharem, fazerem camas, levarem os filhos à escola e não faltarem às actividades da escola, são fortes, másculos e sensuais.

Às mães cumpre... porra, cumpre não estragarem os filhos rapazes com mimos, fazendo-lhes todas as vontadinhas só porque são os seus meninos queridos! Façam aos vossos filhos aquilo que gostavam que as vossas sogras tivessem feito aos vossos maridos e/ou companheiros!!! Acabar com este ciclo depende muito de vocês mulheres-mães!!! E às vossas filhas, mostrem que o maior amor da vida é aquele que partilha o bom e o mau (ou menos bom) da vida... E que isso é que é um Homem... E que elas, como mulheres e pessoas, não se podem contentar com nada menos do que isso...

Apre, tenho dito... (E que a vida me dê forças para cumprir estas minhas palavras...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

O pecado mora ao lado #3

por FS, em 08.08.15

image.jpg

A minha sunset party privada...! :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

O pecado mora ao lado #2.1

por FS, em 07.08.15

image.jpg

Está feito!

Há quem chame a isto binge eating...

Autoria e outros dados (tags, etc)

O pecado mora ao lado #2

por FS, em 07.08.15

Noite temática: Japão

A preparar o sushi e o sashimi para o jantar... mas com um toque culto: ao som de Ryuichi Sakamoto

image.jpg

Mais logo, só porque envolve sabres e dá para entrar na temática, ainda vai ser projectado o primeiro volume de Kill Bill...

Autoria e outros dados (tags, etc)

O meu primeiro Webinar...

por FS, em 07.08.15
Bom, ontem não houve maluqueiras nenhumas de "solteiro emancipado" (se é que irá haver, sequer...)!

Houve pizza, sim, mas sem o prometido meio litro de gelado. Houve muito blog reading (desculpem os meus anglicismos, mas é um dos meus defeitos... Ignorem-no, por favor) e assisti, deitadinho na cama e com os phones nos ouvidos, a um webinar! O meu primeiro webinar!

E como era a partir de São Francisco, Califórnia, decorreu entre a meia-noite e a uma da manhã... Mas como o assunto me interessava, o Prezi, mantive-me alerta e não fechei a pestana! Bom, o vozeirão e o débito do discurso da comunicadora, em jeito de sargento do exército vermelho, não dava azo a qualquer tipo de distração.

Se aqui esta velha carcaça conhece o Prezi, a maior de vocês (que deve ter menos 10 anos do que eu) também já o deve conhecer. Ainda assim, para quem desconhece, recomendo vivamente se na vossa vida profissional tiverem de fazer comunicações ou de apresentar trabalhos na Faculdade. O PowerPoint já era (no meu caso, há muito)! Quando muito, prepara-se o texto de alguns diapositivos no PP e depois importa-se para o Prezi.

O Prezi funciona numa plataforma online para PC's ou numa App para tablets (também dá para trabalhar offline no PC, mas aí já é "a pagantes"...), e no fundo é como se escrevessem num grande quadro tudo o que quisessem falar na vossa comunicação (com gráficos, tabelas, imagens, vídeos, etc). Depois só têm de escolher o "caminho" da vossa apresentação fazendo zoom em cada ponto que querem aprofundar.

Confuso? Acredito, que eu explico-me muito mal! Mas não desisto e dou-vos uma outra imagem. Imaginem que querem fazer uma comunicação sobre o sistema circulatório no corpo humano. Podem começar por colocar uma imagem do corpo humano em full size, da cabeça aos pés, e à medida que vão falando do coração, da oxigenação do sangue, etc, vão fazendo zoom a essas partes, tendo sempre de fazer um zoom out de volta para o corpo inteiro. É muito mais dinâmico e fluído do que o PP, acreditem.

Nada melhor do que irem lá espreitar e experimentar (em prezi.com)... Trust me!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigado, SAPOblogs

por FS, em 07.08.15

image.jpg

Muito obrigado pelo destaque de ontem!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não "uso", mas gosto de tatuagens.

Não uso porque quando tinha idade para as fazer não tive coragem, e agora é tarde. Mas gosto das origens e da evolução da tatuagem, e acho que é uma forma de arte (se bem que também pense que, como tudo na vida, quando em demasia já perde toda a piada).

Mas tenho sempre este dilema: fico a olhar, a apreciar e tentar entender o desenho, mesmo que seja mal interpretado? Neste preciso momento está uma miúda (ainda por cima giríssima) com uma tatuagem na parte frontal da coxa que me parece interessante... E digo "parece" porque não consigo fixar o olhar na dita tatuagem! Não irá ela levar como um olhar atrevido?

Devo chegar ao pé dela e assumir "desculpe, mas não estava a apreciar a sensualidade da sua coxa, nesse tom de pele bronzeado. O que eu estava a fazer era a ver o traço do desenho e a tentar identificar as influências étnicas da sua lindíssima tatuagem!"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dava-lhe jeito...

por FS, em 06.08.15

Sem Título.png

 ...umas aulinhas de português, com ou sem o novo acordo ortográfico, tanto faz!

 

Uma espécie de escrita à Saramago, com uma pontuação escassa, mas com o sal dos erros ortográficos...

 

Dissecando a caisa, saliento estes pontos:

Fico na dúvida se ela quer dizer "eleijo as minhas colaboradoras" ou "aleijo as minhas colaboradoras"... ainda assim, qualquer uma das opções é assustadora!

Também "há" qualquer coisa no último parágrafo, mas que não diz o que é...

Gosto da cedilha do "c", não vá alguém ainda assim ler "prequiso" e não se entender a mensagem...

Não podia faltar o "deia", esse clássico da conjugação do verbo "dar" (para quem não sabe, que eu deia, que tu deias, que ele deia, que nós deiamos, que vós deieis, que eles deiam)...

A ideia de "estar contactada" é demasiado inovadora para mim, confesso... Presumo que seja a fusão da necessidade de estar contactável com a satisfação dessa mesma necessidade, o ser contactada, levando-nos ainda a frase para um universo em que ambas estão conectadas (pelo telemóvel cujo número elas vão deiar uma à outra)...

Lindo...

Autoria e outros dados (tags, etc)

O pecado mora ao lado

por FS, em 06.08.15

image.jpg

Saíram todos de casa para férias e eu fiquei na capital da província, sozinho, para mais semana e meia de trabalho.

Estará montado o cenário para um remake desta comédia clássica? Não me parece, que ninguém se mudou para o prédio recentemente e a única pessoa que me podia "atentar" mora longe (não fiquem escandalizados, que todos temos - nem que seja uma vez na vida - alguém que mexe connosco e nos faz questionar tudo, e também eu sou só humano!)

Mas paralelismo cinéfilos à parte, o que interessa é que um rol de coisas a fazer já invade a minha mente. Na sua maioria banalidades dos tempos de solteiro já emancipado: meio litro de gelado depois da pizza, enquanto se vê um bom filme de terror ou de zombies; horas de jogatana online; imperiais, moelas e imperiais depois do trabalho; um gin ao pôr do sol...

Só falta saber se uma semana dá para isso tudo... Mas eu vou dando notícias!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D