Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Lucky-Luke-Dalton-8.jpg

 

Ora cá está mais uma vez, aparentemente, que este país só funciona no horário de expediente! De segunda a sexta, das 9h às 17h, a coisa vai andando... fora disso, "temos pena, mas tem de voltar noutra altura"!

Que os 2 chilenos e o luso-israelita consigam fugir da prisão de Caxias, eu ainda engulo. Fico a pensar que não estamos (e ainda bem) habituados aos Ronaldos e Messis do crime, e que somos "tenrinhos" na matéria.

Acontece, e aceito, principalmente justificado pela falta de experiência em lidar com este tipo de gente (como por exemplo, alegadamente, apagar as luzes das torres na mudança de turno dos guardas, talvez para ajudar a equilibrar o orçamento do Ministério da Justiça).

Agora, senhores, esperar por segunda-feira para emitir um mandato de captura internacional?!

Mas achavam que os senhores iam querer ficar por cá?! Ou era uma espécie de repatriamento low-cost e self-service que tinham em mente??? 😁

E por causa de uma inépcia e incompetência administrativa, o trabalho de quem andou no terreno, os apanhou, os levou a tribunal e os deu como culpados, vai por água abaixo...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigado a todos...

por FS, em 20.02.17

12432583771_Cartao_cidadao.jpg

 

Caros senhores Trump's da vida, hoje falo-vos da Salomé!

Tem trinta e poucos anos e nasceu em Cabo Verde. Tem dois filhos adolescentes que também residem em Portugal, com a mãe.

É uma pessoa bem disposta, alegre por natureza, que trabalha que nem uma moura e se desfaz para que os filhos não passem pelo que ela passou.

Pessoalmente, tenho a agradecer o amor e o carinho com que tomou conta do meu filho mais novo, o S, até ao ano de vida. A forma maternal com que andou com ele colado às suas costas, seguro por panos, como ela fez com os seus, não me sai da cabeça (e a cara do S, descansado, seguro e satisfeito, a dormir naquela posição).

E desde a passada sexta-feira, a Salomé é cidadã portuguesa. Está felicíssima da vida, porque se sente mais segura de ter a hipótese de poder vir a dar uma vida melhor aos filhos.

E nós ficámos radiantes pela sua felicidade! Porque ela (e outros) merece a hipótese de ter uma vida melhor.

Obrigado a todos vós (nós) que são este país, por terem aceite, através das nossas instituições (SEF), a nossa Salomé como cidadã portuguesa... vocês não imaginam como a deixaram feliz e como mudaram a vida dela!

Bem hajam!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vintage, mas não tanto...

por FS, em 19.02.17

Sempre adorei peças com história e com estórias. A proporção das duas é indiferente, desde que tenha "vida" e/ou tenha sido "vivida".

E gosto, não apenas para estarem em exposição ou numa redoma de vidro mas, para lhes dar uso e como forma de respeitar a função para que foram criadas e não as deixar morrer. É a minha forma de respeitar e prestar tributo ao trabalho dos designers (e se notarem uma ponta de inveja no meu discurso, têm razão, porque há! 😁).

Mas gosto mesmo tanto disso que a recuperação de algumas peças se transforma em pequenos projectos pessoais de "manualidades". Peças que por si só preenchem um espaço vazio, principalmente numa moldura contemporânea e algo minimalista. Peças que enchem a vista, que fixam o nosso olhar e nos deixam a mente curiosa por tempo indeterminado.

E o vintage agora está na moda. Tão na moda que abusam dele, coitado.

Se formos ao dicionário, e ignorando o seu significado vitivinícola, vintage quer dizer apenas "objecto antigo de grande valor"... claro que o valor que damos aos objectos é subjectivo, mas agora parece que tudo é vintage, porra!

Nas minhas pesquisas nos sites de leilões e de vendas em segunda mão aparece cada coisa com a etiqueta "vintage", que até dá dó... Ouçam, senhores, kitsch pode ser vintage, mas nem todo o kitsch o é! Usem antigo, velho ou mesmo kitsch! Assumam! Também há mercado para isso!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dia de natação do S, o que implica mau humor matinal daquela criatura.

Mal vê os calções de banho em cima da cama para vestir, entra em desespero, diz que não gosta e que não quer ir. Volto aos meus argumentos de sempre, talvez demasiado racionais para uma criança de 6 anos: "mas tens de aprender a nadar para poderes ir para o mar no Verão... a mana é mais velha e também vai à natação" (mal sabendo ele que ela também não gosta...).

Aprofundo o tema e tento saber o porquê, para o qual recebo a resposta de ser uma seca e implicar "meter a cabeça debaixo de água". Sinto-me encurralado por este caminho, pois é inevitável ter água e cabeça molhada na natação... 😁


Mudo de estratégia e lembro que no final costumam fazer jogos e brincadeiras com as esponjas, e que isso até é divertido.


- Mas o Jó (professor) nem sempre faz, pai...


- Porque se esquece, S. Tens de o lembrar... pede-lhe para fazerem um jogo no final. - ataco.


- Mas tenho vergonha, pai...


Não diria que aquele personagem teria vergonha para pedir fosse o que fosse, mas acredito que aquele professor, um armário de quase 2 metros, tenha um ar intimidante apesar de saber que tem um óptimo coração e muito jeito para os miúdos. Não desarmo...


- Se não pedires, não acontece... se falares, pode acontecer que tenhas o que queres!


Clássico, o discurso, eu sei. Até o poderia fazer para mim próprio todos os dias, acreditem. Mas foi precisamente por isso que me fez ainda mais sentido, porque não quero que sejam inibidos como o pai... quero que aprendam a lidar com os outros de igual para igual, sempre com respeito.

 

(...)


Nove horas depois, pergunto como correu o dia ao pequeno "Phelps das Beiras" (estou a gozar, claro, mas o meu tom irónico é bastante apurado).


- Muito bem, pai! Fizemos um jogo no final da piscina... - e desata a relatar o jogo com as esponjas, e como este e aquele fizeram isto e aquilo. - e, pai, fui eu que pedi! - acrescenta, inchado de orgulho.


- A sério?! Boa! - e começo eu a inchar.


- Respirei fundo, enchi-me de coragem e perguntei se não podíamos fazer um jogo no fim... e o Jó disse que sim!

 

F*d*-se, há dias que um gajo pensa "vale a pena! Vale mesmo a pena cada minuto...!"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Happy Valentines' day, baby...

por FS, em 14.02.17

image.jpeg

Nunca liguei a estas datas... sempre as achei ridículas. Ainda mais esta, dado que o dia do amor deveria ser sempre que se quisesse (isto na impossibilidade de ser todos os dias)!

Acresce que hoje vai ser impossível fazer seja o que for fora de portas dada a quantidade de "amor" e "paixão" que irá transbordar por esse mundo fora, ainda por cima com gosto duvidoso na maior parte das vezes... E esta avanlanche de amor cria problemas logísticos, inflaciona preços e tira o "mood" seja para o que for, logo, mais uma razão para deixar para outra data!

Mas o que me deixa verdadeiramente nauseado não é o kitch e o mercantilismo da paixão e do amor (sentimentos tão nobres e dos quais não prescindo para viver), mas notícias como esta que surge, novamente, hoje no Diário de Notícias.

 

image.png

 

Não sei como reagir à notícia: se fique contente porque há mais denúncias; se chore porque a violência nas relações continua a manter o seu espaço nas gerações mais novas.

E pergunto a mim mesmo quantos dos casalinhos que hoje vão comemorar o amor, estão a viver situações destas. E acontece mesmo ao nosso lado...

Exagero da minha parte? Não, não é... A semana passada almocei com uma colega de trabalho com quem empatizo muito, mas com quem nunca tinha falado do lado pessoal das nossas vidas. A meio da conversa diz-me que o marido a convidou para irem jantar no dia de S. Valentim, mas que não tem vontade de ir. Que vive um filme de terror em casa, mas adianta logo "Francisco, não pense que é violência doméstica... calma!" Mas termina com, "(...) e ele pediu-me para retirar a tatuagem que tenho com o nome da minha filha mais velha (fruto de um anterior casamento)".

Esperem! Parem tudo! Como é? Pedir a uma mãe que "apague" e afaste uma filha não é violência? É, senhoras e senhores, é sim... É um comportamento selvagem e primário, longe do processo evolutivo a que, supostamente, a nossa espécie esteve sujeita. Os leões quando assumem o liderança do grupo matam as crias do seu antecessor... este não mata, mas quer que uma mãe mate a ligação e a cumplicidade que a une a una filha...

Mas o Dia de S Valentim, esse, temos de ir jantar fora, querida...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leituras

por FS, em 11.02.17

Falava com a T porque, com o tempo e a chegada dos filhos, tínhamos perdido os hábitos de leitura.

E uma das minhas preocupações era o facto da nossa R também não os ter... e essas coisas também se aprendem em casa, com os exemplos. E a T surpreende-me com um sorriso, a fugir para o riso.

 

 

- O que foi? - perguntei.

- Mas a R lê... e mais do que nós juntos!

- Como? Só a vejo de volta da bola de futebol, da raquete de ténis e de tudo o que implique movimento...

 

E a T explicou-me tudo... a R lê na sala de aula, durante a própria aula, no tempo "morto" que medeia o momento em que termina os exercícios e a altura em que a professora faz a correção!!!

Wow! Wtf! Lmfao! (e outras coisas que me passam pela cabeça!) Genial!!!

E acham que não dá para ler muito? Desenganem-se! Numa semana, por exemplo, foi o primeiro do Harry Potter! E a média é de 2 livros por semana (de aulas)!

 

A minha filha não é sobredotada, não... é apenas inteligente, despachada e boa aluna. Mas também é uma óptima gestora do seu tempo!

Inveja, miúda, é o que o pai sente, neste momento! :) Inveja e (mais) orgulho... Ensina o pai a fazer essa gestão de tempo, por favor!

 

PS - próxima reunião com o chefe vou fazer o mesmo... e com os tempos mortos que costumam ter, ainda vai o "Guerra e Paz"! Tenho é de ir para a "carteira" do fundo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Back

por FS, em 10.02.17

Tenho resistido a voltar... Não sei bem porquê, confesso. Por coerência com o que disse, talvez por mágoa, ou por querer manter algumas coisas privadas de leituras alheias...

Ao longo deste tempo tenho lido a escrita dos outros e visto o registo de visitas e leituras d'o-que-interessa-é-viagem. E este último parece um pequeno electocardiograma... duas a três leituras diárias, apesar de estar "morto" há mais de meio ano...

E de repente dei por mim a ler as minhas "estórias", a reviver o prazer que me deu em escrevê-las, e a pensar no quão terapêutico foi.

E mais vale ser também coerente com o que se sente, e não apenas com o que se diz...

À mágoa, resta-lhe apenas aprender a conviver comigo, que eu já aprendi a viver com ela e a evitá-la (um dia saberei enfrentá-la)...

E às alheias leituras (apenas as menos desejadas) resta-lhes também... sei lá, "aguentarem-se à bronca" tal como eu faço?...

Por isso, I'm back... (a bit) in black (com o gás dos AC⚡ DC!)

 

See you soon, in a theatre near you

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D