Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Dia de natação do S, o que implica mau humor matinal daquela criatura.

Mal vê os calções de banho em cima da cama para vestir, entra em desespero, diz que não gosta e que não quer ir. Volto aos meus argumentos de sempre, talvez demasiado racionais para uma criança de 6 anos: "mas tens de aprender a nadar para poderes ir para o mar no Verão... a mana é mais velha e também vai à natação" (mal sabendo ele que ela também não gosta...).

Aprofundo o tema e tento saber o porquê, para o qual recebo a resposta de ser uma seca e implicar "meter a cabeça debaixo de água". Sinto-me encurralado por este caminho, pois é inevitável ter água e cabeça molhada na natação... 😁


Mudo de estratégia e lembro que no final costumam fazer jogos e brincadeiras com as esponjas, e que isso até é divertido.


- Mas o Jó (professor) nem sempre faz, pai...


- Porque se esquece, S. Tens de o lembrar... pede-lhe para fazerem um jogo no final. - ataco.


- Mas tenho vergonha, pai...


Não diria que aquele personagem teria vergonha para pedir fosse o que fosse, mas acredito que aquele professor, um armário de quase 2 metros, tenha um ar intimidante apesar de saber que tem um óptimo coração e muito jeito para os miúdos. Não desarmo...


- Se não pedires, não acontece... se falares, pode acontecer que tenhas o que queres!


Clássico, o discurso, eu sei. Até o poderia fazer para mim próprio todos os dias, acreditem. Mas foi precisamente por isso que me fez ainda mais sentido, porque não quero que sejam inibidos como o pai... quero que aprendam a lidar com os outros de igual para igual, sempre com respeito.

 

(...)


Nove horas depois, pergunto como correu o dia ao pequeno "Phelps das Beiras" (estou a gozar, claro, mas o meu tom irónico é bastante apurado).


- Muito bem, pai! Fizemos um jogo no final da piscina... - e desata a relatar o jogo com as esponjas, e como este e aquele fizeram isto e aquilo. - e, pai, fui eu que pedi! - acrescenta, inchado de orgulho.


- A sério?! Boa! - e começo eu a inchar.


- Respirei fundo, enchi-me de coragem e perguntei se não podíamos fazer um jogo no fim... e o Jó disse que sim!

 

F*d*-se, há dias que um gajo pensa "vale a pena! Vale mesmo a pena cada minuto...!"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Rita a 16.02.2017 às 20:03

É sempre bom perceber que afinal estamos cá para alguma coisa :-)
Imagem de perfil

De FS a 17.02.2017 às 09:12

Olá Rita!
É, sim! E perceberes que podes ajudá-los a serem melhores pessoas...
Quando o ouvi pensei, "bolas, é nesta geração que termina um traço familiar de sentir que não nos vão ligar, e que as nossas perguntas incomodam ou são ridículas"
Beijinhos e obrigado pela visita

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D