Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Lisboa...

por FS, em 27.11.15

image.jpg

Lisboa é, sem sombra de dúvida, e sem desprimor para outras cidades, uma cidade lindíssima e com uma alma cheia.

Se no Verão apetece aproveitar a luz e o calor da cidade, no Inverno o chamamento não é menor. Passear nesta altura traz saborosas memórias de infância, onde a incursão familiar a Lisboa incluía uma ida ao cinema Tivoli ou ao S. Jorge.

O cheiro das castanhas assadas a vaguear pelo ar, a iluminação de Natal nas ruas da Baixa e do Chiado, e o bulício das pessoas que passam nas ruas aquecem-me a alma apesar do frio que invade a capital.

Que bommmmm...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Férias

por FS, em 17.08.15

image.jpg

Começaram os meus 15 dias de silly season (oficialmente, que durante todo o ano há sempre algo de silly na minha vida)!

E durante esta primeira semana, vou estar ao sol a preparar algumas coisas para a segunda... E vai incluir Lisboa! Espiolhar, explorar, investigar...

E este presente de aniversário está a abrir-me o apetite... Agora para ler e depois para pôr em prática... O livro e o 28...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Campo d'Ourique

por FS, em 29.06.15

A capital do Império é uma cidade linda, sem dúvida. Há algo de mágico, principalmente quando o sol aparece e a faz brilhar ainda mais.

Este fim-de semana redescobri os encantos de uma zona da cidade que aparentemente não envelhece: Campo d'Ourique. Deve ter qualquer coisa de especial este bairro, pois até o terramoto de 1755 poupou esta zona da cidade à catástrofe (daí a expressão "rés vés Campo d'Ourique").

Respira-se vida de bairro no quotidiano de Campo d'Ourique, e de comunidade. E não é só uma determinada elite que habita o bairro. Há pessoas de todas as idades e de vários escalões de IRS a circular pelas ruas. As crianças brincam e correm no agradável Jardim da Parada. Há velhotas a alimentar os pombos. Há gente jovem nos cafés mais trendy e nos mais tradicionais.

image.jpg

 

Há lojas giras e inteligentes nas ruas, e não confinadas ao ar condicionado e iluminação artificial de um qualquer Centro Comercial, e para todas as bolsas. E mais, convivem com a tradicional drogaria e mercearias centenária, todas com cliente que lhes permite sobreviver de uma forma, diria eu, sustentável (a palavra da moda)./p&g

image.jpg

 

t; /p>Há onde comer para todos os gostos, do restaurante do minhoto migrado nos anos 40 à focacceria de um verdadeiro italiano, passando pela tradicional cervejaria (esse estabelecimento tão português) aos bivalves francófonos (se bem que para mim nada bata a criação do Sr Bulhão Pato). E depois há o Mercado de Campo de Ourique, onde cada um pode satisfazer as suas diferentes preferências gastronómicas em conjunto.

image.jpg

 

E logo ali abaixo à um democrático oásis de frescura, que nos permite refugiar do calor da capital, o Jardim da Estrela, saboreando um gelado da vizinha Artisani (que compete fervorosamente na variedade e sabor com a concorrência recém chegada de Cascais, a Santini). E os turistas que nesta altura proliferam por Lisboa já descobriram estes prazeres...

image.jpg

 

(Próximo fim-de-semana vou apanhar o eléctrico 28...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Bica é liiindaaaaa!

por FS, em 15.06.15

Sábado estreei-me nas Festas de Lisboa. Foi a primeira vez que saí na noite da capital para os festejos populares do santo padroeiro, dos quais já tanta havia ouvido falar pela boca de amigos. E correu muito bem (tão bem que ontem a ligeira dor de cabeça não me permitia articular palavras com mais de 4 sílabas, quanto mais escrever um post!!!).

 

Guiado por amigos "habitués", mergulhei nos arraiais e bailaricos do típico bairro da Bica, não na noite em que "era suposto", mas na noite a seguir. E este último dado não pode ser descurado, pois tem a sua influência para o desfecho da noite: tomando a analogia da sardinha, o cartaz e ícone das Festas, não ir na véspera de Santo António evita que nos sintamos fechados numa lata, mas a nadar suavemente em cardume (e eu já tinha essa experiência e ensinamento de uma outra tradicional - pelo menos na cidade onde nasci - manifestação de folia popular colectiva); para além disso, os verdadeiros fiéis da festa, os que verdadeiramente dão alma à "coisa" e a tornam única, estão lá na mesma, pois a sua "devoção" assim o dita e exige. Por isso, tem tudo de bom: o espírito está presente e a moldura humana é o quanto baste (e não a demoníaca e incontrolável horda de foliões, razão evocada por muitos - uns acredito que de forma genuína, outros com algum pedantismo à mistura - para não se meterem nestas manifestações culturais).

 

Deambulámos pelas ruas, becos e vielas. Saboreámos tudo a que tínhamos direito, desde a sardinha assada, à entremeada (é chique nos santos populares mantermos um prato de peixe e um prato de carne na refeição... se há que fazer, que se faça com estilo! :)), passando pela salada de pimentos e pelo chouriço assado. Ouviram-se "estórias" de santos passados, da boca de quem vive as Festas intensamente e já aguarda ansiosamente pelas do próximo ano.

O momento alto da noite teve lugar na Calçada da Bica Grande, onde a meio da rua, num andaime à altura de um primeiro andar, actuava uma despretensiosa e assumida banda de covers popularucha (leia-se, pimba).

 

E eu adorei as Festas de Lisboa e a Bica... Porque naquela noite a Bica era democrática (vá, mais uma espécie de anarquia organizada - estranho conjugar estas duas palavras, eu sei!!!), com uma vontade colectiva de diversão... Porque a Bica naquela noite não tinha classes sociais nem tribos. Ter, tinha, mas estavam era todas misturadas... O "beto" da Lapa e de Campo d'Ourique, o "gajo" d'Alfama, o "queque" do Restelo, o "dread", a classe média de Telheiras, os novos intelectuais da Baixa/Chiado... Tudo misturado, de sorriso na boca e ginga na anca! Ai, minha gente, quando nos esquecemos de onde vimos não sabemos o que somos...!

 

E por isso também eu gritei, muitas vezes... "a Bica é liiiindaaaa!"

 

FestasLisboa_2015_2_660x371.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D